Antes de iniciar o Eu Fui do Imin Matsuri 2011, gostaria de explicar que a demora das resenhas e outras colunas do on-sekai, o motivo é simples, faculdade e trabalho, neste mês tudo fica muito corrido, e o pouco tempo que temos focamos no on-sekai. Exclarecido isso agora irei comentar o Imin Matsuri 2011.

O evento ocorreu nos dias 18 e 19 de junho de 2011 no MON, na verdade, não no MON, na praça do lado.

Como sempre, dos três grandes matsuris feitos em Curitiba, o Imin é o maior deles. Para quem gosta de comer comida típica japonesa, sem trocadilhos, o Imin é um prato cheio. Desde Katsudon até o famoso sushi você pode encontrar sem dificuldade. E para poder comprar comida, tem que trocar no câmbio, para quem é mais velho e sentia falta do bom e velho câmbio do matsuri, ele voltou (se bem que ele nunca foi embora).

As “barraquinhas” não podiam faltar, tinha de tudo como sempre teve nos Imin, caso precisa-se de futon ou quem sabe de matériais xintoístas, taoísta ou budista ou talvez você seja um “otaku” é queira botons e camisetas de suas séries preferidas. Como escrevi, de tudo podia se encontrar.

O evento nos dias ficou lotado, se sábado teve muita gente no domingo teve dez vezes mais (lol acho que exagerei).

No palco, as clássicas apresentações de artes marciais, grupos de dança, os jovens cantando, e o taiko.
Um detalhe, uma garota cantou uma música do X, de uma forma muito linda.

Os matsuris são eventos que depois de se falar uma vez não tem muita coisa nova para se falar. Gostaria de ressaltar que esse matsuri me lembrou muito aqueles do passado que eu frequentava quando era um pirralho.

Talvez isso seja uma indicação que a febre Otaku esteja diminuindo e abrindo espaço para uma nova febre: a do K-pop.
Não querendo entrar em âmbitos sociológicos e culturais.
Creio que o evento foi muito bom.

Bem essa é minha opinião.
E esse foi o EU FUI do Imin Matsuri 2011