“Tu inspiraste Rowling, e foi nas terras de Morpheus que se moldou Hogwarts. Tu inspiraste Tolkien, e foi nas terras de Phantasos que se anexaram as extensões da Terra-Média. Tu inspiraste Lovecraft, e em minhas terras se fixou Miskatonic. Então eu te pergunto com sinceridade, Anjo: Até onde vai tua vontade de ser coadjuvante em um mundo de formas e pensamentos?”

Acho que, se eu terminasse esta resenha aqui, após apenas esta citação, muitos já correriam atrás deste livro. Mas estou aqui para falar mais sobre ele e, o mais difícil, sem dar spoilers.

Quão reais são seus sonhos? O quanto eles te afetam? Os de Mikael Santiago, certamente, eram muito reais, e com certeza o afetavam. Pesadelos horríveis todas as noites o levavam a tabernas de demônios, arenas de gladiadores, cabarés de súcubos…

Sendo o jogador de futebol mais famoso do mundo, conhecido pelo apelido “Allejo”, Mikael tem tudo que o dinheiro pode comprar. Mas, há dezoito meses, não tem sequer uma noite em que não tenha pesadelos. Sonhos lúcidos em cenários sombrios. Vivia o inferno cada vez que adormecia. Foi a médicos, terapeutas… ninguém parecia saber o motivo.

No Sonhar, o mundo dos sonhos, deuses estão em disputa. Phantasos, Phobertor e Morpheus, filhos de Hypnos, tinham cada um sua parte igual de responsabilidade no Sonhar. Mas Morpheus passou a ter tamanha importância, que seus irmãos mais velhos foram praticamente esquecidos. Junto a Madelein, a Senhora dos Sonhos Despertos, e suas nove Musas, Morpheus ampliou imensamente seu domínio, e se tornou o deus mais importante do Sonhar. E isso despertou inveja. E a inveja despertou o ódio. E o ódio despertou a guerra.

Mikael é um instrumento nessa guerra, mesmo sem saber. Seu fio de prata foi negociado a um alto preço: sua contraparte. É assim que Ariana, estrela da ginástica artística, que tão recentemente começara um relacionamento com Mikael, acaba também envolvida no desespero dos terríveis sonhos lúcidos. E de um pesadelo desperto.

 “Por você, eu iria até o inferno, Ariana.
Existem promessas que não devem ser feitas.”

Mikael Santiago é uma peça essencial na guerra no Sonhar. Por quê?

Quem, afinal, é Mikael? E quem é seu misterioso guia?

Como terminará essa guerra?

E, a pergunta final: em meio a tudo isso, poderá Mikael salvar o espírito de sua amada no Inferno?

Numa mistura de real e imaginário, Raphael Draccon narra “uma epopeia moderna ao redor de uma declaração de amor à fantasia e ao melhor dos sonhos humanos”, 350 páginas dos mais ricos sonhos, dos mais insanos pesadelos e da mais desesperadora realidade.

Além de uma história impressionante, este livro também nos traz uma lição: a de que somos responsáveis por inspirar sonhos naqueles que nos veem. Numa das passagens, para mim, mais marcantes do livro, Ariana diz a Mikael:
“Tu me falou de coletores de sonhos, mas me diz tu: quantos sonhos tu vendeu ultimamente para alguém? Quantos tu coletou? (…) Ou do que adianta tu declamar em hospital uma oração como a desse santo aí, se tu não compreende nem mesmo o que ele diz?”

Isso fez Mikael pensar… e me fez pensar também. Afinal, todos podem influenciar os sonhos de alguém, nem que seja de uma única pessoa!

Eu levei mais tempo para ler este livro do que eu imaginava; não por ele ser chato ou denso, mas porque ele me fez parar para pensar muitas outras vezes além desta. Porque ele exige muito de nossa imaginação. Porque seus mistérios são intrigantes. Porque a vontade de avançar na história esbarra com a necessidade de aproveitar cada frase e buscar cada relação entre os fatos e personagens.

 

E porque, quando se está no Sonhar, o tempo passa de forma diferente…

Leia este livro. Mas saiba desde já:

Seus sonhos nunca mais serão os mesmos.

 Fios de Prata – Reconstruindo Sandman

Autor: Raphael Draccon

Editora: Leya

Preço: R$ 39,90