Continuando a saga do Mario, chegamos ao jogo que é o motivo de toda esta festa (e destes retroviews): o mega aclamado Super Mario Brothers.
O jogo, lançado no dia 19 de setembro de 1985 exclusivamente para o NES, trazia uma história um pouco mais profunda do que o Donkey Kong: a Princesa Peach Toadstool, que é a rainha do mágico Reino do Cogumelo, foi raptada por Bowser, o rei dos koopas, e cabe a Mario, o ex-carpinteiro que virou encanador (talvez porque o trabalho não pagava muito) salvá-la.


Os gráficos estão muito bem-feitos e coloridos (o que era uma revolução na época em que a maioria dos visuais dos jogos consistia em uma mistura de preto, cinza e azul), sendo que cada objeto que aparecia no jogo tinha suas cores características do mundo real e mesmo a repetição de objetos no cenário não consegue tirar a diversão. Destaque para um grande número de fases e uma grande variação de fases (divididas em fases normais, de caverna, aquáticas e castelo do mal) existentes.


A jogabilidade fica no esquema de andar de um lado pro outro, matar os vários inimigos que aparecem na tela, coletar as moedas para ganhar pontos e uma vida e descer na bandeira para pegar pontos. Destaque para a adição de Power-ups como o famoso cogumelo vermelho que te faz crescer, a flor brilhante que, além de mudar a roupa do Mario, te dá o poder de lançar bolas de fogo que matam os inimigos e para o cogumelo verde que te dá uma vida.

A parte sonora é com certeza um dos maiores atrativos do jogo, sendo que os efeitos estão muito bem feitos e a trilha, além de ser bem temática e caprichada, consegue representar o ambiente que cada fase tenta lhe mostrar.

 

O fator replay funciona naquele mesmo esquema de tentar superar a pontuação máxima, mas perde muitos pontos por causa de seu final, quando você atravessa 8 mundos e 32 fases, derrota os vários inimigos e as várias falsificações do Bowser (e de sua versão real) somente para encontrar uma princesa que lhe diz para voltar tudo de novo com a única diferença de que tudo é mais difícil, fazendo você encarar o fato de que nunca verá o final do jogo. Era um teste de fé até para o mais ardoroso jogador da época.
Enfim, SMB é um jogo muito bonito, bem-feito e é uma obrigação jogá-lo se você é um fã dos 8-bits ou da Nintendo e de seu encanador.

Soma:

Visual: 2.1/2.5
Bonito e consegue transmitir a atmosfera do jogo.

Jogabilidade: 2.3/2.5
Controles básicos e bem-definidos ajudam numa maior experiência.

Som: 2.1/2.5
As músicas dão um tom mais animado ao jogo.

Replay: 1.5/2.5
Sinto muito, mas a princesa vai ficar em outro castelo.

Nota Final: 8.0/10

Curiosidades:

  • Um cara intitulado “O pior jogador de Super Mario Bros.” Conseguiu zerar o jogo com uma pontuação de 700 pontos, o que é incrível já que ele conseguiu evitar não só os inimigos e as moedas, mas também os bônus de tempo extra.
  • SMB já vendeu 40 milhões de cópias ao redor do mundo, o que equivale a quase o triplo que CoD:Balck Ops vendeu no Estado Unidos.
  • SMB já foi jogado de diferentes formas incluindo o uso do kinect, uma guitarra de Guitar Hero ou de um teremim (uma espécie de instrumento agudo).
  • Existe um filme baseado em SMB, mas é tão ruim que o ator que interpretou o Mario disse que só o fez porque “tinha que comprar sapatos pro filho”.
  • Existe um mundo extra em SMB chamado de “Mundo Negativo” e o único jeito de se chegar lá é usando um bug existente na fase 1-2, o único problema é que a fase não tem fim e você fica preso eternamente naquele lugar (ou até suas vidas acabarem).
  • Você pode conseguir até 128 vidas no jogo, mas não pegue mais senão o contador zera e você pode sofrer um Game Over na cara.
  • No anime Gintama, existem duas referências ao Mario, uma delas é em um episódio no qual brotam cogumelos na cabeça dos protagonistas e outra no episódio do lançamento do “Bentendo Owee”, onde um dos personagens se veste de Mario e passa a se chamar de “Katsuo”.
  • Existe uma versão alternativa do jogo chamada “All Night Nippon Super Mario Bros.”, no qual todos os inimigos foram trocados por celebridades de uma rádio matutina japonesa.

Se você gostou ou teve alguma experiência memorável com o jogo, comente aí. O próximo post vai ser sobre Super Mario Bros. 3.

See you next time!