Se você pudesse dar uma nota de zero a dez para sua aptidão mental, que nota daria? Assim como nosso corpo, nosso cérebro precisa de exercício e desafios constantes para manter-se afiado e em forma! Se na academia a gente tem que suar a camisa pra atingir o objetivo, com o mais importante órgão do sistema nervoso não poderia ser diferente. Você tá pronto pro fitness cerebral?

“Ah Yuri, mas eu leio um monte, jogo vários games diferentes e tô sempre me desafiando!”

E isso já é, provavelmente, mais do que a média da população faz! Mas sabe aquele cara na academia que pula o dia das pernas e no lugar faz costas? Ou aquela guria que toda manhã tá fazendo agachamento e glúteo? Condicionar-se aos mesmos exercícios mentais tem o mesmo efeito: ficar com uma área super desenvolvida em detrimento das outras. Todo organismo é, antes de mais nada, um todo indivisível e deve ser desenvolvido em conjunto – caso contrário pode reduzir o desempenho do sistema.

Quer saber como? Aí vão sete dicas simples que podem ajudar você a tirar um pouco a teia das mais diferentes áreas do seu córtex!

O Cérebro

Memória:

O celular é uma bênção, mas o conforto pode se tornar uma maldição. Muitos de vocês devem lembrar nos idos da década de 90, quando sabíamos de cor o telefone de todos nossos amigos e amigas, não é? Poucos hoje conseguem! Um bom exercício para a memória de curto prazo é voltar a guardar mentalmente dados como horários ou telefones. Pode anotá-los depois de uns 10 minutos – a memória de curto prazo tem duração de aproximadamente 15 segundos: se durou mais que isso, você já memorizou!

O exercício: Decorar números, horários e elementos complexos compostos como cores, roupas ou acessórios usados pelos colegas de trabalho naquele dia. Vale tudo: desde sequências de numerais das placas de carros (nível avançado!) até finalmente decorar seu RG e CPF!

Rapidez de Raciocínio:

Um grande diferencial do nosso cérebro é a capacidade de fazer várias atividades ao mesmo tempo com reduzida interferência ruidosas entre elas. Coisas simples como habituar-se a fazer as compras já calculando a quantia que vai ser gasta e quanto troco receberá, já vai dar um baita boost na sua capacidade de multitasking e na agilidade mental!

O exercício: ação e reação em curto espaço de tempo! Esportes ou jogos que exijam resposta rápida a estímulos visuais ou sonoros (como automobilismo, tênis ou jogos de First Person Shooting) vão deixar seu cérebro muito mais ágil para traduzir as informações. Se você gosta de Sudoku começe a fazer time attacks tentando reduzir um pouco no tempo de resolução a cada dia!

Concentração:

Uma das maiores dificuldades nossas atualmente é manter a concentração. Ela não é nada mais do que manter um nível de atenção óptimo para determinada tarefa ou grupo de tarefas. Um exemplo é quando dirigimos: nossa atenção flutua constantemente entre movimentos nos pedais, câmbio, volante, estímulos visuais (divididos entre placas, carros, pedestres, luzes…). Se nós prestarmos atenção demais só no dirigir o automóvel corremos o risco de colidir com outros veículos! Concentração é a arte de manter ou direcionar a atenção com sabedoria a fim de obter o melhor resultado possível de uma tarefa.

O exercício: Se estiver em uma aula ou reunião, faça anotações mentais dos tópicos que foram abordados. Permita-se pensar sobre o assunto e agregar as informações sem se perder no almoço, no namoro ou naquela notícia. Um exercício bem fácil é de recitar os dias da semana ou meses do ano na ordem inversa e depois em ordem alfabética: isso vai te fazer concentrar todo o cérebro em um tema específico, não vai deixar ele voar por estar sendo sub-utilizado!

Criatividade!

Criatividade:

Outra coisa que vai entrando em extinção com o passar do tempo. Aprendemos ao longo da nossa carreira acadêmica que o segredo do sucesso é decorar informações e repetí-las, não em misturá-las em novas combinações. Isso porque muitas receitas já foram repetidas demais: pra quê inventar uma nova receita de arroz se aquela dá tão certo? Criatividade é muitas vezes permitir-se arriscar em algo que não vai ter um resultado tão bom quanto, mas vai ser um resultado novo!

O exercício: Roupas. Aposto que vocês já têm as combinações que mais preferem usar no seu guarda-roupas, não é? Aquela camiseta que só vai com aquela blusa ou aquela calça; aquele cardiggan que só dá pra usar se for com um lenço ou cachecol. Permita-se criar combinações novas (e preferencialmente de bom gosto!) para o seu arsenal! Outras formas: Jogos de estratégia como Xadrez e Civilization exigem de você reações inusitadas em situações diferentes, tendo que lidar com um número grande de variáveis e que dificilmente se tornam cronificadas. Ao sair de carro ou de ônibus, use rotas diferentes sempre que puder, mesmo que seja um pouco mais distante – a mesma rota nunca é a perfeita para todas as situações (chuva, vento, tempo corrido, tempo preguiçoso, etc.).

Noção Espacial:

Aqui você já deve estar pegando o espírito da coisa né? A mensagem é: “desafie-se”! Pra quem mora na cidade, é comum que acabemos nos organizando no espaço por ruas e travessas, isso acaba fazendo com que os pontos cardeais tornem-se desnecessários. Ou será que não?

O exercício: Habitue-se a localizar-se com uma bússola mental, com perguntas como “Em que direção está a minha casa?” sem recorrer à ruas e avenidas – aponte o caminho reto! Saber a localização do Sol naquele horário e em que altura do céu ele está, dependendo da estação, são coisas que ajudam muito a organização no espaço. Quer algo mais prático? Experimente tomar banho, vestir-se ou simplesmente locomover-se pela casa no escuro!

Interação:

Uma das áreas que teve o desenvolvimento mais notável nas espécies de grandes primatas, em especial na Homo sapiens, foi a área da comunicação. E não é a toa: toda a produção de cultura da nossa espécie é baseada na noção de reflexão, experimentação e compartilhamento de experiências. Temos realmente um super computador de bordo para decodificar expressões, sentimentos, conseguir lidar e compreender diferentes tipos de pessoas.

O exercício: Converse com pessoas novas, com as quais não costuma conversar por algum motivo qualquer. É natural que nos rodeemos de amigos com os quais tenhamos facilidade de lidar e entender, mas arrisque a novidade! Isso vai fazer com que crie novas formas de lidar com pessoas e diferentes habilidades sociais, te deixando com mais gingado no relacionar-se. Isso ou retome contato com aqueles com os quais o relacionamento acabou esfriando: se esforçar em uma amizade é um exercício bem maior do que só aproveitar quando acontece naturalmente!

Várias idéias!

Plasticidade neuronal:

Nosso cérebro é muito, mas muito foda incrível. Ele tem a capacidade de fazer novas ligações neuronais, criando novos métodos de fazer as mesmas coisas, mas precisa de ajuda pra isso! Todos esses exercícios anteriores são amplos e fazer um deles contribui para quatro ou cinco aptidões cerebrais diferentes – esse último é como se fosse o alongamento pra permitir um aprimoramento constante e bem produtivo!

O exercício: Como diria Bruce Lee“Seja água, meu amigo!”, ou seja: mude, transforme-se e altere-se! Habitue-se a ler pelo menos dois livros simultâneamente para não cronificar num mesmo estilo de escrita ou de narrativa. Escove os dentes com a mão esquerda (ou a direita se for canhoto) dia sim dia não, pra ir treinando novas formas do seu cérebro fazer as coisas! Levante do outro lado da cama, coma em outro lugar da mesa, troque as mãos do garfo e da faca – saia do conforto, chacoalhe-se! São desafios aparentemente simples, mas se você se habituar à constante mudança e alteração não dou duas semanas pra você perceber os efeitos desse fitness cerebral!