Qualquer filme da Pixar causa um hype imenso. Sempre espera-se algo no minimo ótimo vindo do estúdio. Até Up tudo correu bem, algumas pessoas talvez não tenham gostado tanto de Ratatouille ou Wall-E, mas em média a opinião foi satisfatória. Entretanto em 2011 estreou Carros 2 e a critica cai em cima. Não somente pelo filme ter sido totalmente voltado pro pipocão e pra criançada, mas também pelos anúncios de Procurando Nemo 2 e Monstros S.A. 2. Valente era o próximo filme da lista da Pixar e ele seria decisivo para mostrar que Carros 2 foi um erro isolado. E a Pixar conseguiu.

Os seres humanos são o foco novamente nesse filme, mas agora em um ambiente medieval. Todos os filmes da Pixar tem um toque de conto de fadas, mas esse filme se entregou totalmente para essa atmosfera. Claro que a Pixar não deixa isso passar e guarda certos momentos do filme para lembrar o quanto as lendas são importantes.

Mas como em todo filme da Pixar temos lições de moral. Sutilmente em alguns momentos, bem óbvio em outros, Valente fala sobre as relações entre as gerações. Elinor, a rainha, quer que sua filha seja a perfeita princesa enquanto Merida quer simplesmente curtir a vida de uma forma um pouco mais “masculina”. Além disso temos os filhos dos lordes que possuem características bem parecida com essa nova geração passando desde uma vaidade e fragilidade exagerada até um cara grande e tímido (“mongol gigante”).

O filme também fala muito sobre lutar contra o próprio destino, mas sem cair em frases feitas de livros de auto-ajuda. A escolha do nome do filme não é por nada, Valentia, na mensagem do filme, é o que é preciso para mudar o próprio destino. 

É importante dizer que Merida não é unicamente a protagonista, ela divide a tela com a rainha, o que deixa bem claro diversas vezes a mensagem do filme. E é exatamente por isso que ambas são tão humanas. O filme divide o fardo entre as duas sem precisar ser uma aventura épica e sobre-humana, sem precisar de uma Alice cortando a cabeça de um dragão (eeee Tim Burton!).

Com um olhar mais crítico posso dizer que Valente não é a obra-prima da Pixar e está muito longe dos seus grandes “clássicos” como Toy Story 3, Up ou Wall-E, mas ainda assim vale o ingresso, principalmente para a criançada. Não é todo dia que temos uma figura heroica feminina. A nova princesa da Disney não precisa de um herói para salva-lá.

 

Nota: 8/10

 

Esse artigo é uma colaboração de Renan Aspira.