Talvez o Superman seja um dos heróis mais atrelados ao nacionalismo americano, tanto que já foi tá usado em campanha de guerra. Agora imagine se o “homem de aço” tivesse caído na União Soviética? Com essa premissa que Mark Miller, mesmo autor de Kick-Ass, escreveu “Superman Entre a Foice e o Martelo”.

Crescendo com ideais comunistas, o jovem Kal-el não vira um cara que luta pela justiça capitalista, mas sim uma arma do regime soviético, esquentando ainda mais as relações perigosas da Guerra Fria. Lex Luthor, o homem mais inteligente do mundo, é estadunidense e não gosta muito da ideia de um alienígena ameaçar a soberania americana e assim começa o conflito.

Superman Entre a Foice e o Martelo 2

A curiosidade é o principal chamariz da revista e ela cumpre isso muito bem, algumas vezes até forçando a barra, mostrando, por exemplo, o que o casal Kent acha do Superman e a Lois casando com o Lex Luthor, o que não deixa de ser muito legal.

O contexto histórico da obra é um pouco deixado de lado com o decorrer da história, entregando conflitos bem interessantes de personagens e trazendo versões alternativas de heróis da dc. De toda forma, é curioso ver um Superman que acredita em um idealismo bastante diferente do que estamos acostumados, impondo o comunismo no mundo e fazendo lavagem cerebral em quem não aceitar as ideias do partido.

Superman Entre a Foice e o Martelo

Algo que me chamou muito a atenção foi a arte, pois ela lembra muito cartazes de propaganda soviética, tanto nos traços, quanto nas cores. As aparências e uniformes alternativos casaram muito bem com a proposta.

Acho que “Superman Entre a Foice e o Martelo” é uma revista imperdível para os fãs de quadrinhos e uma ótima pedida para quem quer começar a ler o universo DC. Tem alguns exageros, mas a história corre com um ritmo viciante e uma mensagem muito interessante.