Hoje em dia não é raro encontrar um livro com o mesmo título de algum jogo famoso nas livrarias, sejam elas virtuais ou físicas.

De uns tempos para cá, os livros de jogos (que não são os livros jogos, como os livros de RPG, por exemplo) estão se destacando entre os lançamentos de selos infanto-juvenis/ jovens adultos das editoras brasileiras.

Pensando a esse respeito, me lembrei de ter procurado há mais de um ano, títulos de livros pertencentes a Warhammer 40k, e qual foi a surpresa de me deparar com uma lista enorme.

Não sei se a referência a Warhammer foi justa, já que é um universo imenso e multimidiático. Mas o que dizer de Assassin’s Creed, Uncharted e outros?

Não sei dizer com certeza se existe uma tradição lá fora em adaptações literárias, mas como nenhum dos livros lançados até o momento são de autoria brasileira, é de se supor que esteja havendo um investimento sim em um público leitor que também é gamer. Só não posso afirmar se esse é um movimento antigo ou não.

Livros_Blizzard_Box_Natal

 

Para além das edições de colecionador, que geralmente trazem os livros de arte dos games, com sketchs, depoimentos, artes que nunca entraram para o jogo, pôsteres, enredo, descrição e concept de personagens e todo tipo de informações extras… agora temos disponíveis narrativas que se passam no mesmo ambiente, com desenvolvimento de um enredo plausível com aquela já conhecida pelo jogador (ou pelo menos é o que a gente espera que aconteça).

Battlefield3-br.inddNós já estamos acostumados a encontrar adaptações de games para filmes: Double Dragon, Street Fighter, Tomb Raider; assim como as adaptações de livros para cinema: Harry Potter, Senhor dos Anéis, Jogos Vorazes; mas será que essa adaptação de games para livros está sendo bem sucedida aqui?

A fatia geek/nerd do mercado está sendo cada dia mais cobiçada. O nicho está ganhando departamentos nos mais diversos setores e lojas tentando agradar esse público exigente e disposto a pagar pelos seus muitos hobbies (sim, estou generalizando e estereotipando conscientemente).

Ainda assim, falta algo nessa conjectura. Temos um público para histórias de games? Apesar do estigma de que brasileiros pouco leem (ou nem isso), o número de vendas de livros vem crescendo. Isso já é um indicativo positivo. Os livros de Assassin’s Creed, por exemplo, ficaram na lista dos mais vendidos na época do lançamento.Bioshock-Rapture (1)

Sei que figurar entre os mais vendidos não significa necessariamente que estão entre os mais lidos, afinal, eu mesma compro mais livros do que leio, mas ainda fico me questionando se esse é um nicho pelo qual vale a pena investir.

Se o público leitor é o mesmo que joga os games, é difícil dizer. O provável é que muitos dos fãs dos jogos comprem os livros seja para saber mais do universo, seja para colecionar mais um item. Outros já podem começar suas aventuras pelo livro e partir daí para a experiência do jogo.

E  você acha que esse tipo de adaptação para a mídia livro pode dar certo? Você já jogou e leu algum livro do jogo?