Na Rússia, Nashi (nossa) é um movimento juvenil patriótico pró-governo que foi criado em março de 2005. Desde então, o movimento cresceu rapidamente em toda a Rússia e atualmente tem mais de 200.000 membros, dos quais 10 mil são ativistas regular e estão entre seus 20 anos, e que concordam que ser Nashi é ter um progresso em sua carreira pelo bem da Rússia. Atrás das oportunidades de progresso individual e social, no entanto, eles mantém um projeto mais ambicioso na política e trabalho.

O movimento ativista inclui trabalho voluntário dos membros em orfanatos, ajudar a restaurar igrejas e monumentos de guerra, organização e capacitação de programas educacionais e manifestações de mobilização e comícios. Os críticos contudo dizem que isso é um jeito do governo controlar os jovens contra uma anarquia ou revolução: afinal é verdade que os grupos de jovens que desempenhou um papel fundamental na preparação das manifestações de massa que ajudou a derrubar o regime de Slobodan Milosevic na Sérvia em 2000.

Nashi tem sido descrito como um neo-Komsomol (da era soviética, um outro movimento juvenil). Na verdade, é semelhante ao seu antecessor comunista em que treina e prepara seus membros para posições de liderança, mas fá-lo utilizando os protocolos (por exemplo, manifestações, sit-ins), técnicas (por exemplo, master classes, formações), e linguagem (por exemplo, direitos de participação), de organização da sociedade civil.

Um documento de “democracia soberana” e algo que o Brasil poderia fazer.

O manifesto dos jovens inclui seus objetivos: ser suporte para o desenvolvimento da Rússia como um líder global no século 21 – em um processo conseguido, social e cultural de meios económicos e políticos ao invés de dominação militar. O tema-chave ao longo do manifesto é a da soberania, que é interpretado como a liberdade e independência para definir as “regras do jogo” em seu próprio país e da rejeição do oeste (isto é, americano) a hegemonia. O manifesto também condena e apela para a liquidação do capitalismo “oligárquica”, que credita o presidente Vladimir Putin de ser o primeiro a ter desafiado oligarcas ‘o poder, fortalecendo o Estado, e transformou a Rússia em uma potência global. Nashi declara o seu apoio a Putin e promete trabalhar em direção a esses objetivos em uma variedade de maneiras, incluindo através da criação de uma “sociedade civil ativa”.

Nos últimos dois anos Nashi organizou inúmeras manifestações, tanto de alto perfil e provocante. Dessa vez, as mulheres Nashi se reuniram para fazer um calendário sensual intitulado “Sexo contra a corrupção” e cita diversas situações que sugerem um desvio de conduta.

A mulher, a política e a atitude.

Certo, mas o que isso tem haver? Atitude. As mulheres eleitas para o calendário não são as mais belas. As fotos não tão escandalosas (muito menos do que no nosso carnaval) mostram a personalidade forte de jovens. O ar pinup também não pode ser esquecido, e por isso ao pessoal mais nerd também se identificou. Algo tão simples e ao mesmo tempo bonito que não é visto como falta de pudor. Um exemplo que vêm do outro lado do mundo.

Veja abaixo o calendário:

É uma pena que o Brasil tenha ânimo apenas para futebol e carnaval, e vos digo que essa é uma opinião pessoal. Já vimos bons movimentos como foi o de Fernando Collor, mas o brasileiro prefere reclamar a fazer algo (e vejam não digo para as mulheres tirarem a roupa, isso aqui já é tão comum que não causa impacto) mas sim uma atitude coletiva.
Se você curtiu, não curtiu, discorda, não deixe de nos contar comentando.