Estou de volta…nem faz tanto tempo que escrevi um EU FUI, mas estou de volta para comentar pela 1ª vez o Brasil Open de Artes Marciais.

Antes de iniciar a resenha gostaria de deixar claro que sou um leigo no assunto “competições de artes marciais”, e por isso estou dando uma estudada sobre o assunto. Caso eu cometa alguma gafe por favor comentem.

No sábado, dia 16/04/2011, ocorreu no estádio Tarumã o 5º Brasil Open de Artes Marciais (usarei no decorrer da resenha BOAM para facilitar), e a equipe do on-sekai esteve lá para conferir.
Não havia muito público, tirando as pessoas que estavam acompanhando os participantes. Creio que isso se deve a divulgação atrasada.

Quanto às equipes de imprensa, vi poucas, apenas três, nós do On-Sekai, Rede Massa e um site que não me recordo o nome.

Os estilos presentes no evento eram: Karate Kioko Kushin, Karate Shotokan, Kung Fu, Hapkido, Hae Con do, Hapkido, Hapkido Kook Sool Wal e Tae Kwan Do.

Algumas das equipes presentes eram Haecon-do, Sebuikaikan Karate Kempo, Associação de Artes Marciais Karatê Shubu-do, Kuk-Sool-Wan, Associação Pak Hu Phai, Federação Brasileira de Sipalki-do Kumgang, Equipe Águia, entre outras presentes.


Contou com a presença também de um mestre chileno.
O que chamou muito minha atenção foi o fato de ter muitas crianças que davam um show no tatame.

De manhã houve uma copetição em que cada lutador deveria mostrar um pouco de seu estilo e, assim, ser avaliado por três juizes.
Isso ocorreu em três tatames e para cada um deles era um tipo, ou seja, tive que correr para lá e para cá para poder tirar as fotos.
De manhã estava sozinho até a Mariih (namorada do D.) e um amigo (Guto) aparecerem para ajudar, falando nisso, obrigadão a vocês dois.

Um dos problemas da organização do evento foi o tempo, não conseguiram cumprir sua meta.
Nada é perfeito, mas foram poucos os detalhes que me desagradaram lá. Achei o áudio impecável, muito melhor que de outros eventos, sem falar das playlists, eu e o D. ficamos empolgados quando tocou o tema do Ryu do Street Fighter.

A abertura foi muito boa, creio que seja um dos momentos mais legal do evento. Ver todas as equipes em fila lado a lado e os mestres a frente foi algo muito bom. Agora, dando uma de Otaku chato: até parecia cena de mangá/ anime shonen.

Uma das apresentações que se destacou foi a do mestre San com as tecnicas de Chi Kung, ele empurrou um gol com uma lança no pescoço.

A simultaneidade foi um dos pontos chaves do BOAM, ocorriam várias competições ao mesmo tempo, de diversos estilos e faixas etárias.

O boxe oriental foi um show a parte, só senti falta de esportividade por parte de alguns atletas. Houve também alguns vacilos da arbitragem.

Algo curioso que percebi é que o mestre da academia de kung Fu de Colombo sabe termos em cantonês (para quem não sabe, o cantones é um dialeto do sul da China), algo exótico agora que o Mandarim é lingua oficial da China.

O evento, num aspecto geral, foi bem interessante e empolgante. Quero aproveitar para mandar um agradecimento para o Joca(Tatsu) e para seu mestre Luiz da equipe águia.

Senti falta da bandeira da China e do Japão. Estavam hastiadas as bandeira da Coreia do Sul e do Brasil, como o evento juntou artes Marciais Coreana, Chinesa e Japonesa seria interessante ter outras bandeiras. Não que isso influencie muito na qualidade do evento.

Ah, teve uma venda de rifa valendo uma cesta de páscoa que, infelizmente, eu não ganhei…(risos) acontece…

Recomendo aos leitores do on-sekai irem na próxima edição.

É claro, achei muito boa a iniciativa de arrecadar suprimentos para vítimas das catástrofes do paraná.

Parabenizo os vencedores…

Enfim, o BOAM foi muito bom, com alguns problemas técnicos a serem corrigidos e, pelo que eu vi, serão corrigidos para a proxima edição.

E aqui deixo mais uma vez um agradecimento a organização do evento que nos deixou cobrí-lo. Principalmente para o Joca e o mestre Luiz.

E aguarde o próximo EU FUI… Pessoal do On-sekai fará o possivel paar estar nos eventos!