Alguns de vocês já devem ter ouvido falar deste jogo, Catherine. E muitos devem pensar: “Nossa esse jogo deve ser pornográfico, pra tarado, etc” e com sua faixa etária para maiores de 18. Mas, não é bem assim… Catherine possui um tanto de sensualidade, mas é um jogo com uma história bem profunda.

Capa do jogo para PS3 e Xbox

A história gira em torno do Vincent Brooks, um jovem cheio de responsabilidades com o trabalho e principalmente em seu relacionamento com Katherine, que é sua noiva e está grávida. Por isso ela exige mais atitudes de Vincent, mas ele não consegue tomar jeito e cumprir esta responsabilidade em seu relacionamento.

Além disso, Vincent começa a ter pesadelos todas as noites, em que ele sobe vários blocos enquanto alguma criatura horripilante o persegue. Nos dias seguintes, Vincent começa a ver na televisão casos de pessoas que acordam mortas e com uma face horrorizada.

Como se não bastasse todos estes problemas, Vincent conhece uma jovem chamada Catherine (sim, com “C”) no bar que ele frequenta com os amigos todas as noites.  Então Vincent acaba meio que “apagando” e está no mundo dos sonhos de novo, lutando pela sua vida. Quando mais uma vez, Vincent consegue escapar de mais um pesadelo demoníaco que lhe pode custar a vida, Catherine esta deitada do seu lado na cama e os dois estão NUS! Claro que Vincent entra em desespero, afinal, o que aconteceria se Katherine, sua noiva descobre sobre Catherine?

Ao decorrer da historia, Vincent também conhece mais pessoas com o mesmo problema com sonhos e outros mistérios envolvendo Catherine e seus pesadelos.

Bom, agora falaremos um pouco sobre a jogabilidade do jogo.

Catherine tem uma jogabilidade um tanto diferente dos outros jogos, você basicamente tem que subir uma parede de blocos gigantes, até o final para poder escapar com vida (assim como eu disse sobre a história). Só que você deve pensar bastante antes de mover alguns blocos, pois você pode acabar preso, não conseguindo subir mais e correndo o risco de os blocos abaixo de você caírem (ou pior, quando você está numa fase de boss, ele pode te matar te esmagando). No mais, você pode ir escorregando em blocos de gelo, ser engolido por blocos com buracos para outras dimensões, atingido por blocos com espinhos (os que eu mais odeio), e ainda aparecem blocos randômicos, que podem virar qualquer tipo de blocos.

Durante o jogo você deve responder perguntas que afetam o carma do Vincent, dizendo se ele é uma boa ou má pessoa. E isto influi no final do jogo, ao todo são 8 finais que você pode fazer. Também temos gameplay enquanto estamos no bar – que é onde você passa metade do jogo – lá você pode beber (inclusive alguns troféus são ligados a isso) com seus amigos, conhecer pessoas, conseguir informações e jogar um mini game chamado Rapunsel, que é semelhante ao gameplay do jogo, onde você deve subir uma torre de blocos e chegar até a princesa (só que é em 2D, como se fosse aqueles arcades antigos de Donkey Kong e Mario).

Por fim, Catherine é um ótimo jogo da Atlus, mesma empresa que fez a série de jogos Persona (por isso existem algumas musicas de outros jogos da Atlus no Jukebox no bar). Isso também é notável pelo visual dos personagens, o traço é bem estilo Persona.

Os personagens são bem interessantes e a historia te prende bastante, principalmente quando você está na metade do jogo. É recomendável fazer todos os finais, para saber qual é o seu final favorito. Afinal a Atlus disse que nenhum dos finais é O VERDADEIRO. (Chances de uma continuação? Talvez). Ah sim e não se esqueçam de se desafiar e desafiar seus amigos no modo Babel, onde temos desafios extras do jogo.

Aqui é Ookami, desejando paz, para, você!