Sabe, eu estou começando a ficar puto com o discurso a favor do bullying. Me desculpem amigos, mas falar paradas como “bullying é construtor de caráter” e que existe bullying “moleque” que pode ser cometido é o mesmo que ser a favor da violência. Mas vamos com calma para não sermos hipócritas.

Vamos primeiro pela definição da parada: Bullying não é você zuar uma pessoa uma vez e sim algo constante. Outra coisa que tem que ficar claro é que não é porque a pessoa não está sofrendo agressão física que o bullying é menos prejudicial. Vimos casos ai na mídia de pessoas que simplesmente se mataram por não aguentar a pressão psicológica, mas como nem todos tiram a sua vida, as pessoas acham que todo mundo segue normalmente e que o bullying não tem consequência nenhuma, na verdade “ele te deixa mais forte e forma caráter”. A maioria é bem “especialista” e se baseia em estudos “super científicos” de casos isolados analisados de forma superficiais. Isso mesmo galera, vamos acreditar em tudo isso e substituir a medicina pela homeopatia. Não vai ser muito melhor?! Tá com úlcera? Tome um chá de limão que passa. Vamos ignorar a realidade e baseá-la somente em casos de pessoas que você não conhece profundamente, as quais nunca vão te contar os maiores traumas das vidas delas. Ontem mesmo eu andei pelo bairro mais perigoso da cidade e mandei um traficante tomar no cu e estou vivo agora. Faça isso você também e venha comigo na marcha contra a policia, pois através desse experimento eu provei de uma vez por todas que ela não é necessária, afinal de contas, assaltos moldam o seu caráter. Como é bom tomar aquela porrada na cabeça e ser estuprado por causa de uma coxinha e 10 reais, não é verdade?! Isso não me causou dano psicológico nenhum e aposto que vai ser assim com todo mundo. Alguns se matam depois disso, mas sabe, eles são fracos. A culpa é deles por não aguentar.

Tá bom, esse exemplo foi exagerado e falacioso, mas não resisti à piada e de quebra deixei bem claro algumas coisas. Antes de tudo, o cérebro é o órgão mais importante do corpo humano. Teoricamente uma consciência pode sobreviver sem qualquer órgão menos o cérebro. Então vamos lá: Não é porque alguém não se matou que a vida dela está normal sem dano nenhum. É na infância e adolescência que estamos construindo a nossa personalidade e defesas de ego. Assim como o resto do nosso corpo, nossa mente ainda não está pronta. Digamos que você brigue com uma pessoa de força x quando tem 20 anos de idade e para fins de exemplo, você não vai sair machucado desse confronto, apenas com danos físicos que vão se recuperar com o tempo. Agora imagine que você com 10 anos de idade e brigue com uma pessoa de mesma força x. Provavelmente você vai quebrar alguma coisa tão seriamente que vai sentir a dor durante muito tempo ou até mesmo o resto da vida. Com o tempo você vai acostumar com a maxilar fazendo barulho, mas aquela dorzinha nunca vai embora, o que vai fazer você evitar comer qualquer coisa que faz você usar demais a boca.

Assim voltamos para aquele pessoal que diz que bullying não causa nenhum dano, com o tempo você supera isso e fica mais forte. Bom, o principal sintoma de uma pessoa que sofre bullying é evitar o convívio social, embora existam alguns outros sintomas dependendo do que aconteceu. Eu, por exemplo, não consigo deixar de desconfiar de todo mundo para sempre, principalmente as mulheres e ser totalmente intolerante a piadas pessoais sobre o modo que eu levo a minha vida. Eu reflito sobre isso e penso que estou errado e que nada disso faz sentido, mas na hora do aperto eu me rendo aos meus instintos. Meus sintomas não são um padrão, mas o isolamento social acontece com frequência. Convívio social significa mais sofrimento e é algo que as vitimas acabam evitando. Tá certo que a maioria supera isso, mas digamos que você seja assaltado e perca mil reais. Depois de um tempo você trabalhe e consiga os mil reais de volta. Isso não muda o fato que você perdeu algo , no caso do bullying, você perde preciosos momentos de sua vida.

Outra coisa importante: Cada um tem o seu limite. Quando se trata de dano físico as pessoas vêem aquilo muito claramente, elaborando leis como a Maria da Penha, reconhecendo que alguns indivíduos são mais fracos que os outros. Não estou dizendo para criar uma lei anti-bullying, mas novamente pense, se um dano em um órgão que não é o cérebro já causa um dano nesse órgão, imagina um dano direto no ego da pessoa?! Ele não é o órgão mais importante do nosso corpo, então porque o dano lógico causado nele é visto como viadagem?

Se aquele dano não faz o cara virar um psicopata, isto é, não causa um dano para outras pessoas além das próprias vítimas, não quer dizer que devemos ignorar. Eu vejo muita gente por ai dizendo que nunca viu ninguém virar psicopata depois de receber bullying. Nunca vi nenhuma mulher virar psicopata depois de ser estuprada, isto quer dizer que o estupro é liberado?! Alias, basear uma opinião que afeta muita gente apenas com o que se pode ver a olho nú, sem nenhum estudo profundo sobre isso, baseado em observação de poucas pessoas, principalmente sobre algo que as pessoas fazem questão de esconder, não me parece uma opinião muito segura.

O argumento mais doente de todos (desculpe, não posso tolerar isso) é que a culpa é da vítima. “Sabe, ela é que é sensível”.  Eu não consigo nem argumentar direito sobre isso. Tipo, se você for assaltado, a culpa é sua por andar sem spray de pimenta e nunca ter feito artes marciais? Sim, vamos voltar para o tempo das cavernas em que qualquer coisa te fazia fraco e você era abandonado pelo grupo e deixado para morrer, porque se esse raciocínio continuar, vamos chegar a uma distopia.

O que eu vejo por ai são pessoas que querem uma licença para fazer bullying ou simplesmente aliviarem o seu subconsciente de que elas não fizeram algo horrível. Em todos os meus anos de terapia contra bullying, todos os psicólogos e psiquiatras me disseram a mesma coisa: “Eles nem se lembram de você, mas você se lembra deles”. Por que eles não se lembram disso? Provavelmente porque se eles voltarem naquela memória com a consciência que eles têm como adultos ou simplesmente refletindo se aquilo foi certo ou errado, vão perceber que fizeram algo horrível e que não tem mais volta. Acho que todo mundo às vezes reflete sobre o passado e pensa “putz, que merda que eu fiz naquela época”. Algumas pessoas aceitam que fizeram algo errado, como eu, que zuei um amigo de infância, porque ele já mostrava sinais de ser homossexual e um dia ele saiu chorando e nunca mais falou comigo. Eu saio por ai falando que isso foi normal, que ninguém deve sentir vergonha por ter feito isso? NÃO, eu aceito o erro que eu cometi e convivo com isso, na esperança que um dia ele me perdoe de algum jeito ou que eu crie coragem de pedir desculpas, mesmo que aquilo seja algo de muito tempo atrás, acho que pode economizar alguns anos de terapia. O mais foda desse pessoal que não quer aceitar a culpa, é que esses discursos de “bullying moleque formador de caráter” podem ser e estão sendo ouvidos por pessoas que estão cometendo essa violência e eles pensam que não estão fazendo nada de errado. Pode ser que essas pessoas que tem esse discurso a favor do bullying são simplesmente psicopatas e não se colocam no lugar dos outros. Eu particularmente gosto de pensar na primeira opção.

Enfim, se você se sentiu ofendido com esse artigo: Eu não tenho pena de você porque você apoia a violência, mas apenas reflita sobre isso no lugar de fica falando que “estão exagerando sobre isso, bullying é legal e tem que ser permitido”. Eu não te dou licença para fazer bullying e não estou aqui para te perdoar por pecados que você cometeu contra outras pessoas. Sim, esse texto talvez não alivie a sua consciência como esses discursos pro-bullying, mas quem sabe faça com que você abrace os seus erros e seja mais verdadeiro consigo mesmo.

 

Se esse texto seu huge motherfucker não te respondeu direito, aqui vão mais algumas respostas:

Ah, mas tem alguns bullyings que não são tão pesados assim. Você não pode generalizar.

Concordo, mas ai é que está: Não ser pesado é um critério subjetivo, isto é, muda de cada pessoa, dependendo da situação que ela vive. O mesmo soco que o Arnold schwarzenegger acha fraco, você pode achar forte demais, por isso que quem tem que medir se aquele bullying é forte ou não, é a vítima e NÃO O AGRESSOR. Se ela falar que está de boa, ela pode não estar sofrendo dano nenhum com aquilo (embora deve-se observar se a vítima não está sendo ameaçada). Pode ser que a “vítima” não queira ajuda. Eu tinha um colega de sala com o apelido de gambá e até pessoas da família chamavam ele assim. Ele dizia que quando alguém o chamava pelo nome era estranho. Eu fui vítima de bullying durante todo o ensino fundamental e médio, porém antes no ensino médio, apesar de em alguns períodos eu apanhava todo dia, não foi nada traumático. Eles me zuavam, mas eram meus amigos também e as vezes eu zuava eles de volta. Me perguntavam na época se eu queria que alguém fizesse alguma coisa, as vezes eu queria, as vezes não. No ensino médio eu fui tratado como bicho de zoológico e pedia ajuda, mas não ouvia resposta e só de pensar que existem adolescentes na mesma posição que eu estava e outras pessoas estão lutando para que essa situação continue assim, me deixa desgraçado da minha cabeça.

Ah,  tá bom, você quer que a gente se mate né?! Que a gente se sinta mal. Fala sério, você é um hipócrita.

Eu não estou dizendo aqui que você tem que se matar por causa disso e nem que sou um exemplo de bondade. Eu sei que citei um exemplo de algo que eu mesmo fiz, mas a minha experiência respondendo comentários me faz pensar que tenho que deixar isso claro, porém não se sintam intimidados, podem discordar de mim a vontade, mas vamos ser realistas: Bullying é uma violência que está acontecendo sem controle a todo momento e esse discurso pro-bullying me parece coisa de gente que, ou não quer largar do osso, ou não quer aceitar seus erros.

Você quer deixar as crianças fracas. Se elas não superarem o bullying, não vão conseguir lidar com os problemas da vida adulta.

Bullying é uma constância  Se a criança não está conseguindo fazer aquilo parar, ser torturado só vai piorar a situação da vitima. Bullying é como a água pingando, no começo foi pensa que consegue aguentar, mas no final ele tanto bate que te furou. Se a vitima consegue fazer aquilo parar, não fica constante, logo não é bullying. O que eu quero é que as pessoas lidem com os problemas de acordo com a idade delas. Seria bom talvez que os pais e professores orientassem as crianças nessa hora para que elas resolvam isso sozinhas, porém não muda o fato que bullying é uma pratica horrenda e quem está fazendo o também tem que ser orientado e não somente a vitima que tem que aprender a lidar com um “mundo cão”. Esse texto meu não teve o foco de explicar como acabar com o bullying, eu só quis expor que é uma situação séria e antes de você querer resolver um problema, primeiro você tem que acreditar que ele existe. Eu poderia falar de modos de lidar com o bullying, mas esses texto ficaria ainda maior. Se você é vitima de bullying, clique aqui e veja algumas dicas. Eu, com a mentalidade que eu tenho hoje, nunca entraria em uma situação de bullying como no passado, porém você só descobre como se livrar disso com o tempo. O exemplo da briga com um cara de força x quando você tem 20 anos de idade e quanto você tem 10 funciona aqui também.

Alguns videos:

Caso da Amanda Todd e o Bullying:

Ela se expôs, tem que aguentar:

There are 2 comments

Entre na conversa, deixe sua opinião

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *