Peça a alguém que assiste dramas para te indicar um, e essa pessoa certamente dirá: “Um só? Não tem como”.
E, como alguém que assiste dramas, eu posso confirmar: realmente, não tem como.
Mas antes, dramas – ou doramas, como muita gente chama – são séries de televisão orientais, sejam japonesas (j-drama), coreanas (k-drama), taiwanesas (tw-drama), tailandesas (thai-drama), ou chinesas (c-drama). Eu já falei um pouquinho sobre k-dramas na matéria Hallyu (neste post), mas aqui eu pretendo “infectar” alguns de vocês com essa mania de novelas asiáticas em geral.
É por isso que eu tive o ‘árduo trabalho’ de pesquisar entre alguns bons fãs de dramas que conheço, até chegar a uma lista (não definitiva) de dez principais dramas que você deveria assistir para ingressar no caminho sem volta das séries asiáticas. Se você pretende começar a assistir dramas, ou se já assiste e quer dar uma checada no que outros fãs gostam, veio ao artigo certo!
P.S.: Estas são “micro-reviews”. A ideia é que, futuramente, haja artigos falando mais profundamente sobre estes e muitos outros dramas. Então, aguardem!

1 – Hana Yori Dango (Boys Before Flowers /Meteor Garden)
Esse é provavelmente um dos dramas mais difundidos, indicados e adorados de todos os tempos – e, por pura coincidência, o primeiro que assisti. Conta com versão japonesa (“Hana Yori Dango”), coreana (“Boys Before Flowers”), taiwanesa, chinesa e filipina (as três, “Meteor Garden”). Ufa!
Baseado no mangá de mesmo título, “Hana Yori Dango” fala sobre a garota pobre numa escola de elite, que sofre bullying por parte do “bonzão” da escola, líder dos “F4”, os quatro caras mais ricos daquele colégio onde estuda a elite da elite. Então, só imagina o quanto o cara é rico. Pode esperar uma avalanche de clichês: o melhor amigo, a mãe cruel, o choque de classes, o momento de separação, a prometida de muitos anos… Vale a pena mesmo assim? Vale. Ou você acha que a coisa tem cinco adaptações a toa?

2 – You’re Beautiful (Ikemen Desu Ne)
Se você já ouviu falar em “porcoelho”, já ouviu falar em “You’re Beautiful”. Se não, bem, assista pra saber, oras. “You’re Beautiful” fala de uma noviça desastrada que sonha em se tornar freira (nunca vou me esquecer de como uma cena do início me lembrou de “A Noviça Rebelde”). Mas um desconhecido aparece para lhe pedir um favor. Ele é o empresário do irmão gêmeo dela, e pede que ela finja ser o irmão, enquanto ele está no exterior, e se tornar membro do famosíssimo grupo A.N.JELL. É claro que isso só pode dar muita encrenca, afinal, só pra começar, os integrantes do grupo moram juntos. Quanto tempo será que cada um dos outros três vai levar pra descobrir que ele é ela?
A versão original é a coreana; a japonesa, “Ikemen Desu Ne”, foi gravada dois anos depois, e conta com participação do ator principal da versão coreana, Jang Geunsuk.

3 – Goong
Goong foi o primeiro drama que me foi indicado; mas só fui assisti-lo anos depois, e até hoje não sei por que demorei tanto. É baseado em um manhwa publicado entre 2002 e 2011. O drama gira em torno do casamento arranjado entre o príncipe e a neta de um antigo funcionário do palácio, prometido entre seus avôs. Mas ambos cresceram sem saber disso, e parece que ficar um com o outro não estava nos planos deles… A garota aceita a proposta porque sua família está passando por um momento extremamente difícil; mas o príncipe não parece que vai facilitar as coisas pra ela. Pra complicar tudo, tem o primo do príncipe que, é claro, quer roubar o trono, e parece que a futura princesa também.
A obra se transformou também em um musical, que teve grandes ícones do k-pop no elenco, e conta com um spin-off, “Goong S”, com outros personagens.

4 – Secret Garden
Ela, uma esforçada dublê de cenas de ação, que sonha em ir para Hollywood. Ele, o invejado CEO de uma megaempresa, sempre lidando com potenciais traidores. Um engano acaba aproximando os dois por um momento. Mas, por algum motivo, ela não sai dos pensamentos dele, fazendo-o sempre dar um jeito de seus caminhos se cruzarem. E então a mágica acontece: suas almas trocam de corpos. Agora, como lidar com o primo famoso e mulherengo e com a mãe preconceituosa dele, ou a colega de quarto dela? Aliás, como enganar os colegas de trabalho de ambos? Eles se veem então obrigados a se conhecerem mais e mais profundamente. E há muitas perguntas a se responder… Por que ela se criou sozinha desde muito jovem? Por que ele é tão traumatizado com elevadores e outros lugares fechados?
É esperar pra chover… ou melhor, pra ver!

5 – Coffee Prince (The 1st Shop of Coffee Prince)
Em nenhum momento ela teve intenção de se passar por um garoto, mas ele a confundiu com um e, afinal de contas, precisava de um homem para fazer o trabalho… Primeiro, como “namorado”; depois, como atendente do “Coffee Prince”, a cafeteria que o protagonista é obrigado a administrar. Com medo de perder um emprego tão bom, ela segue fingindo ser um garoto. Enquanto isso, ele começa a questionar porque tem sentimentos “diferentes” por aquele “garoto estranho” que arrumou para trabalhar com ele…
Garotas se passando por garotos pode ser extremamente clichê, mas Coffee Prince apresenta esse tema de uma forma especialmente graciosa, e os personagens são extremamente cativantes, em minha opinião. Não foi a toa que passei uma noite e um dia vendo o drama inteiro sem parar, e não me arrependo de nem um segundo!

6 – Lie to Me
Cansada de ser chamada de solteirona, a protagonista, funcionária do setor de turismo do governo, mente que já está casada. Mas, devido a uma série de acontecimentos, coincidências e enganos, o boato que corre é que ela se casou secretamente com o presidente do World Hotel! Depois de várias tentativas frustradas de desmentir os rumores, eles concordam que será melhor para ambos fingirem ser casados, apenas por um tempo. E ela exige que ele não fique com outras mulheres nesse período, afinal, apesar do casamento ser de mentira, ela não quer ser falada por aí; então, é claro que na antiga paixão dele vai aparecer, só por causa disso. E aí: quem ele vai escolher no final?
Algumas reclamações sobre esse drama vêm do fato de haver troca de roteirista bem no meio (literalmente) do drama. Se a mudança foi pra melhor ou pior, aí é questão pessoal.

7 – Devil Beside You
Muito provavelmente meu drama preferido, “Devil Beside You” é um drama taiwanês baseado em um mangá (‘mangá’ mesmo, do Japão). Por uma confusão da desastrada protagonista, a carta de amor que ela escreveu para o capitão do time de basquete vai parar nas mãos do “demônio” da escola, que usa isso para chantageá-la. Como se isso não bastasse, quando finalmente a mãe dela se apaixona novamente, seu futuro padrasto é, ninguém mais, ninguém menos que… o pai do “demônio”. Mais complicado que isso, só se ela se apaixonar pelo futuro irmão postiço… Epa…
O trio protagonista é perfeito – até fazem outro drama juntos –, mas também tenho um carinho especial pelos personagens secundários deste drama: a gangue dele e as melhores amigas dela dão um tempero muito especial à trama, e mesmo os vilões são cativantes.

8 – Personal Preference
Tudo que aquele arquiteto queria era se infiltrar naquela casa para descobrir o que havia de tão impressionante naquela construção para ser o projeto dos sonhos do cliente que ele pretende ganhar de seu maior rival. Mas ele, extremamente organizado e maníaco por limpeza, acaba indo morar com aquela mulher estranha, bagunceira e desorganizada que, além de tudo… pensa que ele é gay! Em seu lado, tudo que ela quer é alguém de quem receber algum aluguel e, acima de tudo, superar o fato de que seu ex-namorado e a ex-colega de casa (e supostamente sua amiga) a estavam enganando durante todo tempo… e estavam noivos! Coincidência ou não, o ex-namorado dela é o rival dele, e toda a trama vai se misturando cada vez mais… É um drama cheio de cenas hilárias, mas também com muitas cenas tocantes e carregadas de emoção.

9 – Rooftop Prince
O único desta lista que eu ainda não assisti, então precisei pedir ajuda pra escrever isto aqui… Bem, há 300 anos, a princesa foi encontrada morta; o príncipe, inconformado, junta mais três homens e passa a investigar a morte de sua amada. Por algum motivo, os quatro vêm parar nos tempos modernos. Nos tempos atuais, também há um misterioso assassinato a ser desvendado, e alguém que parece ser a reencarnação da princesa. Só posso imaginar o quão hilárias devem ser as cenas em que os quatro viajantes do tempo têm que se adaptar à modernidade, ainda por cima vivendo na casa de uma feirante, quando são acostumados a um palácio. E, é claro, sempre tem que ter aquela coisa de “Oh, minha nossa, quem será que eu amo agora?”, clichezinho básico que não pode faltar, né? Certamente este drama está na minha lista pessoal também.

10 – City Hunter
Variando um pouco do estilo comédia romântica que vimos no restante da lista, City Hunter envolve muito mais ação e drama (no sentido dramático da palavra). Traídos pelo próprio país, um grupo de soldados é massacrado, e apenas um soldado sobrevive, após ser salvo pelo melhor amigo. O sobrevivente jura vingança, e rouba o filho recém-nascido de seu salvador, criando-o para ser o vingador. O garoto cresce treinado para matar, alimentado pelo ódio de seu pai de criação. Mas, ao contrário do que seu “pai” deseja, ele não quer matá-los, mas fazê-los pagar pela justiça. Tudo se torna mais difícil quando ele conhece aquela garota… Pois, pior do que não querer envolvê-la em sua complicada história de vingança, é o fato de ela ser paga para proteger quem ele deve atacar: ela é guarda-costas do governo.  O relacionamento dos dois parece tão possível quanto o de Romeu e Julieta… e pode ter o mesmo final…

Eu sei, eu sei… Muitos dos seus favoritos não estão aqui, né? Então, vamos fazer o seguinte: comenta aí embaixo quais vocês acham que faltaram aqui, e eu prometo dar um jeito de resenhá-los no futuro. Combinado?
Vejo vocês na próxima!